quarta-feira, 26 de agosto de 2015

BIOLOGIA ATUAL

blog montado por
PAULO ANÍBAL G. MESQUITA (biólogo)
fone (11) 9 96792160 
www.facebook.com/pauloanibal
Twitter@pauloanibal

Baratas podem desenvolver quadro de depressão se ficarem isoladas
Apesar de muitos seres humano acharem as baratas nojentas, elas conseguem viver bem em sociedade.
Recentemente numa publicação da BBC e Vitakinika ( da Rússia) saiu que Biólogos estão estudando a “vida secreta” das baratas e descobriram que são seres com um sistema muito mais sofisticado, que podem reconhecer os membros de suas famílias e que não gostam de viver sozinhas, podendo, até mesmo, adoecerem se ficarem solitárias. As baratas vivem intimamente ligadas, em sociedades igualitárias, baseadas em estruturas sociais e regras, são capazes de tomar decisões coletivas em prol do bem de todos. Ao estudar certas espécies de baratas, cientistas acreditam que podem aprender como a sociedade de animais mais avançados evoluiu, inclusive a sociedade humana.
A convivência social
Algumas espécies de insetos são conhecidas por suas habilidades sociais, como as formigas, cupins e algumas abelhas e vespas, por exemplo. Os chamados "insetos eussociais" possuem estruturas e comportamentos altamente desenvolvidos.Nos insetos “eussociais”, há uma rainha dominante, que tem o privilégio de criação, o resto dos milhares de insetos são apenas trabalhadores. Esse sistema é diferente da sociedade da barata, onde qualquer uma é ‘autorizada’ para o acasalamento e procriação.
As baratas são conhecidas por serem gregárias, pois vivem em grupos em vários estágios de suas vidas, assim entendemos pouco sobre como elas realmente se comportam em torno de si. Uma revisão científica publicada na revista Insectes Sociaux explica o que sabemos agora.
Existem cerca de 4.000 espécies de baratas descritas pela ciência, até agora. Destas, cerca de 25 se adaptaram para viver entre as pessoas. Dessas, duas espécies em particular têm sido estudadas em detalhe, a barata alemã (Blatella germânica) e a barata americana (Periplaneta americana).
Fontes: BBC, Jornal da Ciência, Vitakinika.ru

MOSQUITO PÓLVORA - infestação no litoral
Mosquito pólvora, também chamado de maruim, da famíÍia biológica Ceratopogonidae, que engloba pequenas moscas (um a quatro milímetros de comprimento) da ordem Diptera.São encontrados em quase qualquer habitat aquático ou semi-aquático por todo o mundo. As fêmeas da maioria das espécies são hematófagas, ou seja, adaptadas para sugar sangue de animais, inclusive do ser humano. Preferen temperaturas acima dos 25°C, umidade acima dos 80% e pouquissímo vento, alimentando-se sempre próximos a áreas de reprodução. A principal espécie que ataca o homem no Brasil é a Culicoides paraensis (Goeldi,1905) -descrito pelo grande naturalista Emílio Goeldi -, correspondendo a mais de 90% de ocorrências de picadas deles. Em humanos, sua picada pode causar urticária, vergões vermelhos que podem persistir por mais do que uma semana. Para picar, o mosquito penetra no meio dos cabelos e pelo meio das roupas. O desconforto nasce de uma reação alérgica localizada com as proteínas em sua saliva, que pode ser de algum modo aliviado por anti-histamínicos tópicos.

INSETOS
Dizem que o nosso planeta atualmente é dominado pela à espécie humana, mas na realidade uma outra legião de seres espetaculares-os insetos, é que realmente conquistaram a superfície terrestre, pois bem mais da metade das espécies vivas hoje no planeta são insetos, ou seja, são cerca de 1,5 milhões de espécies diferentes. Certos insetos são bem familiares no convívio humano, por ex:as moscas, mosquitos e baratas, pois em qualquer lugar eles são encontrados. Surgiram aqui muito antes dos dinossauros,há mais de 350 milhões de anos atrás,sendo corroborado por achados fósseis, como baratas e libélulas com aparência semelhante das atuais, porém com dimensões maiores, sendo um bom exemplo disso a "macroneura", uma libélula com asas de mais de 70 cm de envergadura e com um corpo de 40 cm de comprimento, mas suas asas não dobravam sobre o corpo, fato que certamente impedia uma fuga rápida, tornando-se presa fácil, mas as atuais são bem menores e velozes; as fabulosas baratas também eram um pouco maiores que as atuais, mas sua aparência manteve-se inalterada até hoje, evidenciando que já surgiram biologicamente adaptadas as condições de nosso planeta, conseguindo sobreviver em condições inóspitas, inclusive comprovou-se resistirem à elevadas doses de radiação em laboratório. Impressionante! Muitos insetos possuem formas muito curiosas e figuram em inúmeras lendas no Brasil, como à Jequitiranambóia com sua cabeça parecendo uma boca de jacaré, onde um mito indígena cita que quando ela pica uma árvore causa à sua morte imediata, lógico que isso não prcede. Até mesmo no antigo Egito alguns insetos eram venerados, como os besouros escarabídeos. Até na exploração espacial, os insetos estão servindo de inspiração para o desenvolvimento de novos aparelhos, como os de Robert Michelson, pesquisador do Instituto de Pesquisa Tecnológica da Geórgia, em Atlanta. Ele trabalha desde 1996 num veículo de nome estranhíssimo chamado entomóptero. Do grego entomo (inseto) e ptero (asas), portanto, trata-se de um veículo voador que voa de forma semelhante a um inseto, que moveria batendo as suas asa. Além disso, as asas do entomóptero serão movidas por um músculo artificial cujo combustível dispensa a mistura de oxigênio, pois não podemos esquecer que a atmosfera marciana é muito rarefeita. O aparelho que supostamente seria enviado à Marte pesaria 15 kg e teria dois pares de asas, cada uma delas com 1 metro de envergadura instaladas na parte dianteira e posterior do equipamento, ambas bateriam numa freqüência muito rápida e as "máquinas-inseto" carregariam instrumentos de filmagem e coletores de amostras da superfície marciana; esta sendo cogitado pelos órgãos de espionagem americanos à utilização dessas máquinas.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

REINO ANIMAL


REINO ANIMAL
Classificação:
Segundo a divisão proposta por Carolus Linnaeus (ou Carl von Linné), o reino animal é um dos 5 reinos, e é subdividido principalmente nos seguintes Filos: Porifera, Cnidários, Platelmintos, Nematelmintos, Anelídeos, Moluscos, Artrópodes, Equinodermos e Cordados (Peixes, Répteis, Anfíbios, Aves e Mamíferos - animais com corda dorsal). 
FILO dos PORÍFEROS
Porifera (do latim porus, poro + phoros, portador de) é um filo do reino Animalia, sub-reino Parazoa, onde se enquadram os animais conhecidos como esponjas, os mais simples animais.
Estes organismos têm uma organização simples, sésseis, sua grande maioria é marinha, alimentam-se por filtração, bombeando a água através das paredes do corpo e retendo as partículas de alimento nas suas células. As esponjas estão entre os animais mais simples, não possuem tecidos verdadeiros pois em sua camada externa e interna as células não apresentam lâmina basal, também não apresentam músculos, sistema nervoso, nem órgãos internos. Eles são muito próximos a uma colônia celular de coanócitos, (o que mostra o provável salto evolutivo de unicelulares para pluricelulares) pois cada célula alimenta-se por si própria. Existem mais de 15 000 espécies modernas de esponjas conhecidas, que podem ser encontradas desde a superficie da água até mais de 8000 metros de profundidade, e muitas outras são descobertas a cada dia. O registro fóssil data as esponjas desde a era pré-cambriana (ou Pré-Câmbrico).
ECOLOGIA:
As esponjas modernas são predominantemente marinhas, existindo algumas de água doce. Seu habitat varia desde a zona costeira até profundidades de mais de 6000 metros. São encontradas no mundo inteiro, desde as águas polares até as regiões tropicais. Não existe representante terrestre conhecido desses animais. Esponjas adultas são sésseis. No entanto, foi observado que certas esponjas podem se mover direcionando sua circulação na água com os miócitos, numa certa direção. Um maior número de esponjas pode ser encontrado em lugares que oferecem um sedimento firme, como um fundo de rochas. Algumas esponjas são capazes de aderirem a si mesmas em fundos de sedimentos moles, usando uma base semelhante a uma raiz. Esponjas também costumam viver em águas claras e tranquilas, pois se uma onda ou a ação das correntes levanta o sedimento, os grãos tendem a tapar os poros do animal, diminuindo sua capacidade de se alimentar e sobreviver.
Classificação:
A divisão do filo Porifera em classes é feita c/ base no tipo de espículas que apresentam:
Classe Calcarea - espículas compactas de carbonato de cálcio. Podem ser asconóides, siconóides ou leuconóides.
Classe Hexactinellida - espículas de sílica, muito raras. Podem ser siconóides ou leuconóides.
Classe Demospongiae - "esqueleto" de fibras de espongina com ou sem espículas de sílica.


FILO dos CNIDÁRIOS ou CELENTERADOS
O filo Cnidaria (do grego knidos, irritante, e do latim aria, sufixo plural) são os animais aquáticos, são exemplos as hidras de água doce, medusas, alforrecas ou águas-vivas, que são normalmente oceânicas, os corais, anémonas-do-mar e as caravelas. O filo era também chamado Coelenterata (das palavas gregas "coela", o mesmo que "cela" ou "espaço vazio" e "enteros", "intestino"), que originalmente incluía os pentes-do-mar, atualmente considerado um filo separado, composto por animais também gelatinosos como as medusas, mas com características próprias.
CORPO
Possuem distribuição nervosa confusa no corpo do animal, o que o torna compatível com a simetria radial. Ao redor da abertura os celenterados ostentam um anel de tentáculos com células urticantes, os cnidócitos, capazes de ejecular um minúsculo espinho, o nematocisto que pode conter uma toxina ou material mucoso. Estes "aparelhos" servem não só para se defenderem dos predadores,mas também para imobilizarem uma presa, como um pequeno rato, para se alimentarem - os cnidários são tipicamente carnívoros. Algumas células da gastroderme da cavidade central o celêntero segregam gosmas digestivas, enquanto que outras absorvem a matéria digerida. Na mesogleia, encontram-se dispersas células nervosas e outras com função muscular que promovem o fluxo de água para dentro e fora da cavidade central.
Os cnidários possuem duas formas corporais possíveis: o pólipo e a medusa. Os pólipos têm corpo cilíndrico, fixo a um substrato. A boca é situada na região superior, rodeada de tentáculos, com grande concentração de cnidócitos. Já as medusas são livre e natantes, sua boca se situa no centro da face inferior do corpo, que também é rodeada de tentáculos urticantes de efeito paralisante em pequenos animais, funcionando como forma de predar ou como maneira de se defender.
REPRODUÇÃO e CICLO de VIDA:
Os cnidários reproduzem-se sexuada e assexuadamente. A reprodução sexuada dá-se na fase de medusa, com exceção dos antozoários (os corais e as anêmonas-do-mar), das hidras e algumas outras espécies que não desenvolvem nunca, a fase de medusa: os machos e fêmeas libertam os produtos sexuais na água e ali se conjugam, dando origem aos zigotos. Dos ovos saem larvas pelágicas chamadas plânulas, em forma de pêra e completamente ciliadas que, quando encontram um substrato apropriado, se fixam e se transformam em pólipos. Em alguns celenterados, como os corais, a fase de pólipo é a fase definitiva. Os pólipos reproduzem-se assexuadamente formando pequenas réplicas de si mesmos por evaginação da sua parede, chamadas gomos. No caso dos corais, estes novos pólipos constroem o seu "esqueleto" e continuam fixos, contribuindo para o crescimento da colônia. No entanto, em certos casos, os gomos dividem-se em discos sobrepostos, num processo conhecido por estrobilação, sendo esta também uma forma de reprodução assexuada. Estes discos libertam-se, dando origem a pequenas medusas chamadas éfiras que eventualmente crescem e se podem reproduzir sexuadamente.

A Caravela, muito comum no litoral brasileiro,ocasiona muitos acidentes com queimaduras pelos seu tentáculosCLASSIFICAÇÃO:
O filo Cnidaria está dividido em cinco classes de organismos atuais e mais uma de fósseis:
Anthozoa - as anémonas-do-mar e corais verdadeiros;
Scyphozoa- as verdadeiras água-vivas;
Cubozoa - as medusas em forma de cubo;
Hydrozoa - as hidras, algumas medusas, a vaso-azul (caravela-portuguesa) e os corais-de-fogo;
Staurozoa - as medusas que habitam regiões costeiras dos oceanos em zonas temperadas e estão fixas pelos tentáculos;
Conulata † - extinta.
 
FILO dos PLATELMINTOS
Do (do grego platy, achatado + helmins, verme), pertencente ao reino Animalia. O exemplo mais típico é a planária – de corpo achatado e constituído por três camadas. Primeiramente, há a epiderme uniestratificada. Abaixo, há duas camadas musculares, sendo a primeira composta por músculos circulares e a segunda por músculos longitudinais. A esse conjunto dá-se o nome de tubo músculo-dermático. Tal tubo atua na proteção, locomoção e como esqueleto.
Nos platelmintos de vida livre, a epiderme apresenta cílios, relacionados com a locomoção. Já nos parasitas, há a cutícula envolvendo o tubo músculo-dermático, conferindo-lhe resistência à ação dos sucos digestivos. Esses vermes são triblásticos acelomados. Como conseqüência disso, não formam completamente alguns sistemas (respiratório, digestório). Outra conseqüência é a sua forma achatada. Suas células têm que ficar próximas ao meio externo (para respirar) e próximas ao intestino (para obter nutrientes).
Sistema digestivo incompleto:
Possui apenas uma abertura em todo o sistema, portanto é incompleto. Constitui-se por boca, faringe e intestino ramificado que termina em fundo cego. Os cestóides(animais endoparasitas, exemplo: a tênia) não possuem sistema digestivo. A digestão é extra e intracelular.
Sistema nervoso:
São os primeiros animais com um sistema nervoso central que é formado por um anel nervoso, ligados a cordões longitudinais ou por um par de gânglios cerebróides dos quais partem filetes nervosos laterais que sobem ás superficies terrestres, emitindo ramificações. Isso permite uma melhor coordenação do sistema muscular, bem desenvolvido, o que disciplina os movimentos do animal e lhe dá mais orientação.
Sistema excretor:
A excreção é feita através dos protonefrídeos que possuem células terminais multiciliadas denominadas de células-flama > Estruturas típicas dos platelmintes, as células-flama eliminam os excretas para dentro de ductos anastomosados, e por vezes ciliados, que eventualmente abrem-se para o exterior por um ou mais poros. São amoniotélicos, isto é, excretam amônia e não uréia como os mamíferos.
Sistema reprodutor:
Geralmente são hermafroditas (podendo ou não fazer a autofecundação) sendo que alguns se reproduzem por partenogênese. Nos tuberlários e trematódeos monogenéticos, o desenvolvimento é direto. Já nos digenéticos e cestóides é indireto. Os platelmintes de menor porte podem se dividir por fissão(também chamada de bipartição). As planárias sofrem fissão longitudinal, e cada metade se regenera e forma uma nova planária. Trata-se de uma forma de reprodução assexuada. Os platelmintes também podem realizar reprodução sexuada. Novamente como exemplo as planárias, elas se unem e trocam semens masculinos podendo assim fecundar.
CLASSIFICAÇÃO:
Turbellaria (Turbelários) - Platelmintes de vida livre, com epitélio ciliado, ocelos e aurículas, que são estruturas quimiorreceptoras, que ajudam esses animais a localizar alimentos e a detectar os predadores. Exemplo: Planária (Digesia tigrina) (Foto)Trematoda (Trematódios) - Vermes parasitas com epiderme não-ciliada e uma ou mais ventosas. Exemplo: Schistosoma
Cestoda (Cestódios) - Formas parasitas com corpo dividido em anéis ou proglotes. Exemplo: Taenia solium (anel e cabeça nas fotos>clique sobre elas p/ver ampliada).
OBS.: Saúde Pública – doenças causadas:
Ciclo de Vida da Taênia (doença: Teníase e cisticercose)

Ovo (esq) e taenia (na mão) à direita

FILO dos ASQUELMINTOS (NEMATELMINTOS)Um dos maiores filos da Zoologia em número de indivíduos viventes. Existem espécies parasitas, mas a maioria é de vida livre. Os asquelmintos de vida livre habitam o solo úmido, a areia dos desertos e das praias, a água estagnada, o mar. Os parasitas infestam os animais e as raízes, frutos e outras partes das plantas. Todos possuem o corpo protegido por uma película ou cutícula resistente, em função da qual foi dado o nome do filo. Os asquelmintos são animais de simetria bilateral (bilatérios), triploblásticos porém pseudocelomados, isto é, a cavidade do corpo não é "totalmente" revestida por folhetos mesodérmicos. Essa cavidade é limitada, por um lado, por músculos (de origem mesodérmica), mas, por outra lado, ela é limitada pela parede do tubo digestivo (de origem endodérmica). Logo, nestes animais, não existe um celoma verdadeiro, e sim um "falso celoma" ou pseudoceloma. Os asquelmintos são os únicos pseudocelomados na escala animal. Os nematódeos (do grego nematos, "filamento", e eidos, ‘semelhante’) são todos cilíndricos e alongados. Corpo não segmentado e revestido de cutícula resistente e quitinosa. Sistema digestivo completo, possuindo boca e ânus. O sistema nervoso é formado de um anel anterior, que circunda a faringe, e cordões nervosos longitudinais relacionados com aquele anel. O sistema locomotor é estruturado em camadas musculares longitudinais situadas logo abaixo da epiderme. As contrações desses músculos só permitem movimentos de flexão dorsoventral. Não há movimentos laterais. Todos os nematódeos são unissexuados (animais dióico), ou seja, têm sexos separados — machos e fêmeas distintos. Em alguns, há até nítido dimorfismo sexual (o macho é bem diferente da fêmea). Não há estruturas flageladas nem ciliadas nesses animais. Nem mesmo os espermatozóides possuem flagelos. Eles se locomovem por meio de pseudópodos, com movimentos amebóides. Os nematódeos não possuem sangue, sistema circulatório nem sistema respiratório. A respiração é anaeróbia.
Os principais nematódeos parasitas da espécie humana são:
º LOMBRIGA (Ascaris lumbricoides)
Também conhecida popularmente como "bicha". São vermes nemátodes, ou seja fusiformes sem segmentação, e com tubo digestivo completo. A reprodução é sexuada, sendo a fêmea (com até 40 cm de comprimento) bastante maior que o macho, e com o diâmetro de um lápis. Os ovos têm 50 micrometros e são absolutamente invisíveis a olho nu.
O ser humano infectado libera, junto às fezes, ovos do parasita (foto ao lado). Assim a larva se desenvolve em ambientes quentes e úmidos (por exemplo, o solo nos países tropicais) no qual permanece dentro do ovo. A infecção ocorre por meio da ingestão dos ovos infectantes em água ou alimentos, principalmente verduras. As larvas são liberadas no intestino delgado e alcançam a corrente sanguínea através da parede do intestino. Infectam o fígado, onde crescem durante menos de uma semana e entram nos vasos sanguíneos novamente, passando pelo coração e seguem para os pulmões. Nos pulmões invadem os alvéolos, e crescem mais com os nutrientes e oxigênio abundantes nesse órgão bem irrigado. Quando crescem demasiados para os alvéolos, as larvas saem dos pulmões e sobem pelos brônquios chegando à faringe onde são maioritariamente deglutidas pelo tubo digestivo, passando pelo estômago, atingem o intestino delgado onde completam o desenvolvimento, tornando-se adultos.Apesar de haver alguns casos em que são expectoradas saindo pela boca. A forma adulta vive aproximadamente dois anos. Durante esse período, ocorre a cópula e a liberação de ovos que são excretados com as fezes. Abaixo, o esquema do ciclo de vida da lombriga (clique sobre ele p/ ver ampliado)
SINTOMAS:
A grande maioria dos infectados tem apenas um número pequeno de lombrigas que não causam nenhum sintoma. O período de incubação entre a ingestão do ovo e a chegada do parasito adulto ao lúmen intestinal dura cerca de dois meses. Nesse período as larvas passam por vários órgãos, como fígado e pulmões. Normalmente não causam problemas na sua migração mas, particularmente se existirem em grandes números, podem causar irritação pulmonar com hemorragias e hemoptise (tosse com sangue). Outros sintomas nesta fase além da tosse são, falta de ar (dispneia) e febre baixa. Após chegada ao intestino e maturação nas formas adultas, os parasitos nutrem-se com o bolo alimentar e não são invasivos. Sintomas possíveis numa maioria incluem nauseas, vômitos, diarréia e dor abdominal, particularmente se a carga de parasitas é alta. As complicações graves da ascaridíase são raras e predominantemente em crianças que têm grande número de parasitos (devido muitas vezes às crianças comerem terra ou lamberem objetos sujos de terra). Assim, um grande número de adultos no intestino pode formar uma bolo de parasitos, que obstrui a passagem dos alimentos pelo intestino (íleo mecânico); grande número de parasitas na passagem pelos pulmões e faringe podem provocar crises de asfixia; e a migração de parasitas para os ductos biliares, pancreáticos ou apêndice resultar em colecistite, pancreatite ou apendicite. Pode também existir a forma errática da infecção (altas cargas parasitárias), onde os parasitos albergam órgãos não naturais da infecção podendo provocar hemorragias internas.

º Ancylostoma duodenale e Necator americanus (Amarelão)
Possuem corpos filiformes e as fêmeas (com até um centímetro) maiores que machos. As suas extremidades anteriores têm a forma de um gancho, especialmente nos Necator, e possuem boca armada com placas ou espinhos duros e bastante resistentes.
Ciclo de vida:Os ovos têm 60 micrómetros e são eliminados nas fezes humanas. Na terra quente e úmida, os ovos eclodem, liberando larvas (em estágio L1), que sofrerão mudas (ou ecdises), até atingir a forma L3, denominada filarióide ou infectante. As larvas rabditóides (L1 e L2) levam por volta de uma semana para tornarem-se filarióide, a qual é capaz de viver por mais de um mês, procurando encontrar um hospedeiro humano. Se conseguirem, elas são capazes de penetrar na pele intacta. Dentro do organismo, invade os vasos linfáticos e sangüíneos e migram pelas veias para os pulmões, via coração. Permanece nos alvéolos e depois migram (ou é tossida) pelos brônquios até à faringe, onde é deglutida incoscientemente para o esôfago. Após passar pelo estômago (a sua cutícula resistente permite-lhe suportar o ambiente ácido) passa ao duodeno (intestino). É aí que se desenvolvem e acasalam as formas adultas, produzindo mais de 10.000 ovos por dia. É importante ressaltar que também ocorre infecção passiva por via oral. Nesse caso, a larva infectante é ingerida em água ou alimentos contaminados e percorre todo o trato gastrointestinal, até atingir o duodeno, habitat do parasito. Durante esse percurso, sofre as mudas necessárias à formação do verme adulto.

º Trichuris trichiura (oxiuros). É um dos vermes de maior disseminação entre crianças, embora também ocorra em adultos. Pequenino e numerosíssimo, o oxiúro prolifera nas porções baixas do intestino grosso, de onde migra para o reto, nas imediações do ânus, principalmente à noite. A intensa movimentação dos vermes ocasiona um irritante coceira no ânus, que identifica logo a oxiuríase. Os vermes adultos são dióicos, com dimorfismo sexual. Os machos tem em torno de 2,5 a 4 cm, as fêmeas são maiores que os machos, em torno de 4 a 5 cm. Os ovos têm o aspecto típico de barril ou bola de futebol americano ou a forma de limões, com cerca de 45 a 65 micrómetros de comprimento por 20 a 25 micrómetros de largura, e massa mucoide transparente nas duas extremidades (opérculos polares).Clique sobre as figurasabaixo para vê-las ampliadas(A esq. ciclo de vida e à dir. o ovo do T. trichiura):









º Wuchereria bancrofti (Elefatíase). Também conhecida como filária de Bancroft, é um verme extra-intestinal, pois se localiza nos vasos linfáticos. A fêmea é maior que o macho, podendo alcançar 10 cm de comprimento. A presença do verme nos vaso linfáticos ocasiona a dificuldade circulatória da linfa, isto é, estase linfática. Há derramem de líquidos para os tecidos vizinhos, com aparecimento de edema (inchação) progressivo, que pode levar aquela parte do corpo a dimensões desproporcionais. Partes do corpo como mamas, bolsa escrotal e pernas assumem proporções chocantes. Essa doença tornou-se conhecida popurlamente como "elefantíase". Cientificamente, é a filariose ou wuquererose. O contágio é indireto, exigindo a participação de um transmissor ou vetor — o mosquito Culex fatigan. A larva desse verme é chamada microfilária e é mais facilmente encontrada no sangue do doente quando colhido à noite. Durante o dia, essas larvas se recolhem à circulação profunda dos grandes vasos. Abaixo, quadro resumo com os principais parasitas:


FILO dos ANELÍDEOS(Annelida - do latim annelus, pequeno anel + ida, sufixo plural) aos vermes segmentados - com o corpo formado por "anéis" (segmentos/metâmeros). Existem mais de 15.000 espécies destes animais em praticamente todos os ecossistemas, terrestres, marinhos e de água doce. Encontram-se anelídeos com tamanhos de menos de um milímetro até mais de 3 metros (minhocoçú). Os anelídeos são animais com corpo alongado, segmentado, triblásticos, protostómios e celomados, ou seja, com a cavidade do corpo cheia de um fluido onde o intestino e os outros órgãos se encontram suspensos e com Simetria Bilateral. CARACTERÍSTICAS:
- Possuem sistema circulatório, pela primeira vez na escala evolutiva dos animais. O sangue desloca-se por um sistema fechado de vasos e contém pigmentos respiratórios dissolvidos no plasma. Na minhoca, o pigmento respiratório é a hemoglobina, responsável pelo transporte de 40% do oxigênio utilizado pelo organismo;
- Corpo é revestido por um epitélio simples que secreta uma cutícula delicada, protegendo o organismo contra a desidratação;
- Parede do corpo contém uma musculatura bem desenvolvida e capaz de permitir o desenvolvimento do animal;
- Sistema digestivo é completo, com boca e ânus;
- Respiração cultânea, isto é, as trocas gasosas entre o organismo e o meio são efetuadas através da pele. Outros, que vivem em ambiente aquático, respiram através de brânquias, filamentos delicados dotados de vasos sanguíneos que, por difusão, retiram O2 dissolvido na água;
- Excreção é realizada por estruturas denominadas nefrídeos, que eliminam os excretas através de poros que se abrem na superfície do corpo.
Classificação dos anelídeosOs anelídeos possuem cerdas quitinosas,estruturas existentes na parede do corpo e que, expandindo-se e retraindo-se,conferem,respectivamente,aspecto liso e áspero ao animal. Esses movimentos das cerdas, associados à ação muscular e nervosa, participam do mecanismo locomotor>>Classes:
- Poliquetas (do grego polys: muitos; chaeta: cerdas)- marinhos, dióicos,fecundação externa e desenvolvimento indireto,c/larva denominada trocófora. ex: Eunice viridis (palolo)
Nereis sp.;
- Oligoquetas (do grego oligo: poucos)-são terrestres e dulcícolas, monóicos,fecundação cruzada e externa (minhoca) e desenvolvimento direto.ex: Lumbricus terrestris (minhoca),Pherentima hawaiana (minhoca- louca), Glossoscolex giganteus (minhocoçu)na foto;
- Aquetas (prefixo a: não, sem) ou Hirudinea-terrestres ou aquáticos,monóicos,desenvolvimento direto,ex: Hirudo medicinalis
(sanguessuga).

Forma de reprodução dos anelídeos varia de espécie para espécie, podendo ser tanto assexuada como sexuada. Um exemplo, são as minhocas que embora sejam animais hermafroditas, pode ou não ser necessário duas minhocas para a reprodução. Elas se unem de forma a ficarem os poros masculinos de uma encostados aos receptáculos seminais de outra, possibilitando, assim, a fecundação dos óvulos pelos espermatozóides. Caso a reprodução seja assexuada, os óvulos e os espermatozóides da própria minhoca (o receptáculo seminal está sem espermatozóide caso a reprodução seja assexuada) são liberados e agregados ao muco liberado pelo clitelo. O indivíduo formado é geneticamente igual ao seu progenitor.


FILO dos MOLUSCOS (MOLLUSCA)
(do latim molluscus, mole) constituem um grande filo de animais invertebrados, marinhos, de água doce ou terrestres, que compreende seres vivos como os caramujos, as ostras e as lulas (são invertebrados + inteligentes). Portanto, possuem corpo mole e não-segmentado, muitas vezes dividido em cabeça (com os órgãos dos sentidos), um pé muscular e um manto que protege uma parte do corpo e que muitas vezes secreta uma concha.Os moluscos são animais triblásticos, celomados e protostômios. A maior parte dos moluscos são aquáticos, mas existem muitas formas terrestres como os caracóis.
O pé é a estrutura muscular mais desenvolvida dos moluscos. Com ele, podem se deslocar, cavar, nadar ou capturar suas presas. O restante dos órgãos está na massa visceral. Nela, estão os sistemas digestivo, excretor, nervoso e reprodutor. Ao redor da massa visceral, está o manto, responsável pela produção da concha. Entre a massa visceral e o manto, há uma câmara chamada cavidade do manto. Nos moluscos aquáticos, essa cavidade é ocupada pela água que banha as brânquias; nos terrestres, é cheia de ar e ricamente vascularizada, funcionando como órgão de trocas gasosas, análoga a um pulmão.
Uma característica marcante da maioria dos moluscos é a presença da concha. Trata-se de uma carapaça calcária, que garante boa proteção ao animal. Nas lesmas e nos polvos, ela está ausente; nas lulas, é pequena e interna.A maioria dos moluscos apresentam sistema circulatório aberto ou lacunar, no qual o sangue é impulsionado pelo coração, passa pelo interior de alguns vasos e depois alcança lacunas dispostas entre os vários tecidos, nas quais circula lentamente, sob baixa pressão, deixando nutrientes e oxigênio, e recolhendo gás carbônico e outros resíduos metabólicos. Essas lacunas são as hemoceles. Os cefalópodos constituem uma exceção, pois têm sistema circulatório fechado.
Na cavidade celomática abrem-se os nefrídios, as estruturas excretoras. Pela abertura interna dos nefrídios (o nefróstoma), penetram substâncias presentes no sangue e no líquido celomático. Em alguns moluscos, como nos cefalópodos, os nefrídios encontram-se bastante agrupados, formando um "rim" primitivo.
Em quase todos os moluscos, a membrana do manto é vascularizada e permite a ocorrência de trocas gasosas entre o sangue e a água. Nos moluscos terrestres, como o caramujo-de-jardim (Helix sp.), a cavidade do manto é cheia de ar e comporta-se como um pulmão. Trata-se, portanto, de uma forma particular de respiração pulmonar. Nos moluscos aquáticos, existem lâminas ricamente irrigadas por vasos sangüíneos, no manto, e que formam as brânquias desses animais. Portanto, entre os moluscos podemos encontrar respiração pulmonar e respiração branquial.
A ciência que estuda os moluscos é a malacologia.
O filo Mollusca é o segundo filo com a maior diversidade de espécies, depois dos Artrópodes, (cerca de 93 000 espécies viventes confirmadas e até 200 000 espécies viventes estimadas, e 70 000 espécies fósseis) e inclui uma variedade de animais muito familiares.
Possuem um sistema digestivo completo (da boca ao ânus). Os gastrópodes e os cefalópodes apresentam uma estrutura chamada rádula, formada por dentículos quitinosos que raspam o alimento.Os bivalves apresentam um estilete cristalino, responsável por colaborar na digestão ao libertar enzimas digestivas.
Reprodução:Os moluscos podem ser hermafroditas ou apresentar sexos separados. Os espermatozoides podem ser liberados na água ou dentro do corpo da fêmea.A fecundação pode ser externa onde o macho solta o espermatozóide e a femea o óvulo, os dois juntam dando origem ao índividuo ou a reprodução interna onde o espermatozoide é líberado no corpo da fêmea.

Obs.:A lula-colossal (Mesonychoteuthis hamiltoni) é provavelmente a maior espécie de lula existente, e o único membro do gênero Mesonychoteuthis. Estima-se que ela pode ultrapassar os 14 metros de comprimento. Sendo assim, a lula-colossal é considerada o maior invertebrado conhecido do planeta.
A lula-gigante (Architeuthis spp.) é um cefalópode da ordem Teuthida, conhecido por ser o segundo maior invertebrado existente na terra, perdendo apenas para a lula-colossal. As oito espécies do género habitam as profundezas dos oceanos e podem atingir comprimentos de 10 metros para os machos e 13 metros para as fêmeas, medido desde a barbatana caudal à ponta dos tentáculos. A lula-gigante tem ainda um dos maiores olhos de todas as criaturas vivas, apenas ultrapassado pelo da lula-colossal. As ventosas dos tentáculos podem atingir até 5 cm de diâmetro. Já foram encontrados diversos exemplos de marcas destas ventosas cravadas nas cabeças de cachalotes, que são predadores das lulas-gigantes. Setembro de 2004, a equipe do pesquisador japonês Tsunemi Kubodera do Museu Nacional Científico de Tóquio, e Kyoichi Mori, da Associação de Observação das baleias Ogasawara, conseguiu fotografar pela primeira vez na história um exemplar vivo no Pacífico norte, perto das ilhas Ogasawara. O animal de oito metros de comprimento agarrou-se a uma isca, presa a uma corda e lançada a 900 metros de profundidade por Kubodera. O espécime lutou por quatro horas para se libertar, amputando um dos tentáculos no processo. O tentáculo media cerca de 5,5 metros e foi resgatado pelos cientistas, ainda vivo e se movendo. As centenas de fotos obtidas foram divulgadas apenas um ano depois, numa revista científica. Outras provas, são as diversas notícias a respeito de pescadores que pescaram lulas-gigantes. A maior lula-gigante já capturada foi encontrada na Antártida, quando um barco de pesca neozelandês capturou a maior lula gigante já vista, uma criatura com olhos tão grandes quanto pratos e ganchos afiados na ponta de seus tentáculos. A criatura pesava 450 kg, e é 150 kg mais pesada do que o maior espécime encontrado até então.
.

CLASSIFICAÇÃO:
Existem dez classes de moluscos, oito que ainda vivem e duas que só são conhecidas através de fósseis. Estas classes contêm as mais de 250 000 espécies de moluscos:
Caudofoveata (habitantes de águas profundas; 70 espécies conhecidas);
Aplacophora (parecidos com minhocas; 250 espécies);
Polyplacophora ("muitas placas"-a superfície dorsal desses moluscos apresenta uma armadura calcária composta por placas parcialmente sobrepostas.Ex:quíton. São todos marinhos.cabeça pequena, sem tentáculos nem olhos; 600 espécies);
Monoplacophora (Em latin monoplacophora significa 'que possue apenas uma placa.Acreditavasse que estivessem extintos a pelo menos 400 millhões de anos, quando foram encontrados animais vivos em 1952 de Neopilina galatheae Lemche, 1957 - na costa do méxico a mais de 3500 metros de profundidade. Foi como encontrar um elo perdido entre os moluscos e os anelídios. Existem apenas 6 (seis) espécie conhecidas ainda viventes. habitantes de fundos oceânicos; 11 espécies);
Bivalvia (também são encontrados em água doce ou salgada. Sua concha possui duas partes que encerram completamente o corpo do animal.Ex:ostras, os mexilhões e os mariscos. Apresentam as brânquias recobertas por uma camada de muco; ao passar pelas brânquias, partículas alimentares ficam aderidas ao muco e são levadas para a boca.ostras, amêijoas, mexilhões, conquilhas,8000 espécies);
Scaphopoda ("pé em forma de canoa"- pequenos animais dotados de uma concha cônica e alongada.São marinhos,e vivem parcialmente enterrados na areia.Ex:dentálios.Concha carbonatada aberta dos dois lados; 350 espécies);
Gastropoda ("estômago nos pés"- corresponde ao maior grupo de moluscos, marinhos, de água doce e de ambientes terrestres. São os conhecidos caramujos, os caracóis e as lesmas. A concha, quando presente, tem formato helicoidal.Corpo protegido por concha e cabeça bem definida; entre 40 000 e 50 000 espécies);
Cephalopoda ("pés na cabeça"- moluscos sem concha externa, que apresentam uma estrutura interna e uma morfologia bastante diferentes dos demais. São o polvo, a lula, o náutilo e o calamar, animais exclusivamente marinhos. O pé dos cefalópodes é dividido em tentáculos. Ex:lula, polvo, nautilus; 786 espécies, todas marinhas);
Rostroconchia (prováveis ancestrais dos bivalves;entre outros; cerca de 1000 espécies);
Helcionelloida (fósseis; parecidos com caracóis).

FILO dos ARTRÓPODES
Vide em












FILO dos EQUINODERMOS(do grego echinos, espinho + derma, pele + ata, caracterizado por). São animais marinhos, de vida livre, exceto por alguns crinóides que vivem fixos ao substrato rochoso (sésseis) e de simetria radial que também apresentam sua exceção: as estrelas-pena ou comatulídeos, que se locomovem utilizando os braços. Como exemplo podem ser citados os equinodermos: estrela-do-mar, holotúria e ouriço-do-mar.Este filo surgiu no período Cambriano recente e contêm cerca de 7.000 espécies viventes e 13.000 extintas.Estes animais se aproximam muito dos cordados por possuírem celoma verdadeiro (de origem enterocélica) e por serem deuterostômios, ou seja, o orifício embrionário conhecido como blastóporo origina o ânus dos indivíduos.

Na fase larval os equinodermos possuem simetria bilateral, vindo desenvolver a simetrial radial somente no adulto. As larvas são livres natantes e semelhantes a embriões de cordados. Depois, o lado esquerdo do corpo se desenvolve mais que o direito, que é absorvido, e organiza-se numa simetria radial, em que o corpo é arranjado em partes em volta de um eixo central. Esta é basicamente pentâmera, ou seja, os elementos geralmente se dispõem em 5 ou múltiplos de 5. Possuem esqueleto formado por placas calcárias, coberto por fina camada epidérmica. O endoesqueleto mesodérmico é formado de pequenas placas de calcário e espinhos, que formam um rígido suporte que contem em si os tecidos do organismo; alguns grupos têm espinhos modificados chamados pedicelários que possibilitam a vida livre.
Os equinodermos tipicamente possuem um sistema hidrovascular ou sistema aquífero (também denominado sistema ambulacral), que funciona na locomoção destes animais. O sistema hidrovascular funciona através de um sistema de canais hidráulicos, nos quais a diferença de pressão produz movimentos físicos. Também existem ventosas nas extremidades dos canais que permitem ao animal fixar-se ao substrato, exceto os representantes da classe Ophiuroidea.
Eles têm um sistema nervoso radial simples que consistem em uma rede nervosa modificada (neurônios interconectados sem nenhum órgão central) e composto por anéis nervosos nervos radiais em volta da boca se estendendo por cada braço. Os ramos desses nervos coordenam o movimento do animal. Os equinodermos não têm cérebro, embora alguns possam ter gânglios.Os espinhos estão presentes em diversos formatos nos grupos de equinodermos, e atuam com a função de proteger o animal e para a locomoção. Podem ser recobertos por substâncias de caráter tóxico.Muitos equinodermos têm notável poder de regeneração: uma estrela-do-mar cortada radialmente em várias partes vai, depois de alguns meses, regenerar em tantas estrelas viáveis quantas foram as partes separadas. O corte de um braço(com uma parte proporcional de massa da parte central e de tecido nervoso) vai, em circunstâncias ideais, regenerar do mesmo modo.










Reprodução: Os sexos normalmente são separados. A reprodução sexual tipicamente consiste de liberação de ovos e espermas na água, com a fecundação acontecendo externamente. Classificação:
As classes em que os Equinodermos se dividem são:
- Echinoidea (ex: Ouriço do mar)-Ilustração acima- Asteroidea (ex. Estrela do mar)
- Ophiuroidea (ex: Serpentes do mar)
- Holothuroidea (ex: Pepino do mar)
- Crinoidea
Formas fósseis incluem os blastóides, edrioasteróides, e vários outros animais do Cambriano conhecidos como Helicoplacus, carpóides, Homalozoa, e eocrinóides como a Gogia. A direita esquema interno do Pepino do Mar.